Clavis consolida-se como fornecedora de soluções completas de segurança da informação

7 de agosto de 2017

Apesar do período turbulento no país, os últimos 12 meses foram excepcionais para a Clavis. No segundo semestre de 2016, o fundo Aeroespacial, focado em empresas de alta tecnologia do setor de Defesa e Segurança, concluiu o processo de investimento na Clavis, com um aporte que permitiu à empresa redimensionar suas operações e incrementar sua estrutura de governança, mudando o patamar de qualidade de suas soluções.

Segundo o CEO da Clavis, Rafael Soares, “O fôlego extra proporcionado pelo investimento do fundo permitiu contratar pessoal, adquirir equipamentos e investir numa estrutura de gestão mais moderna e consistente, com reflexos claros na qualidade e na eficiência das operações.”. Os reflexos podem ser notado no corpo funcional da Clavis, que hoje conta com mais 50 colaboradores e, com o ritmo atual de crescimento, tem uma expectativa de passar de 70 colaboradores até o final do ano. Rafael destaca, ainda, os investimentos em Pesquisa & Desenvolvimento: “O principal atrativo da Clavis para receber o investimento pelo Fundo Aeroespacial foi o viés de alta tecnologia da empresa, com o desenvolvimento de soluções próprias através da execução de projetos de alta complexidade, sempre contando com o apoio de órgãos como Finep, CNPq e FAPERJ. Com o aporte recebido, não poderíamos mudar a estratégia da empresa: boa parte dos recursos foi investido em melhorias e evoluções em dois produtos da Clavis: os sistemas Octopus (SIEM) eBART(Gerenciamento Centralizado de Vulnerabilidades).”

Mais dois Produtos Estratégicos de Defesa

Quem fala mais sobre os dois produtos é Vinicius Miasato, Diretor de Tecnologia. “O Octopus é uma plataforma de inteligência que dá suporte a atividades de gerenciamento e correlação de eventos e informações de segurança. É um produto que costuma ser conhecido no mercado como SIEM (Security Information and Event Management), mas que, no caso do Octopus, pela capacidade de coleta e correlação de dados, possui aplicabilidade nos mais diversos setores, incluindo Indústria, Energia, e Transportes, para citar áreas em que a Clavis já desenvolve pesquisas e produtos. Já o BART é um sistema para gerenciamento de vulnerabilidades. O BART tem uma importante característica que o diferencia de seus concorrentes do mercado, que é a capacidade de gerenciar, em um mesmo ambiente, vulnerabilidades de origem ‘tecnológica’, tais como vulnerabilidades de software, e de origem gerencial, tais como não-conformidades em procedimentos. Além disso, o BART possui recursos diferenciados de planejamento de correção de vulnerabilidades, viabilizado por meio da execução de algoritmos sofisticados de escalonamento de tarefas associadas às atividades de correção.”. Segundo Vinícius, ambas as ferramentas encontram-se em fase final de homologação como Produto Estratégico de Defesa, seguindo o mesmo caminho que foi seguido pelo Sistema SADI, simulador de cenários de sobrecarga desenvolvido pela Clavis e que se tornou Produto Estratégico de Defesa em 2016.

Fica evidente a mudança de perfil da Clavis ao longo dos últimos anos. A empresa, que começou suas operações em 2004 com uma atuação predominante no setor de treinamento, hoje vê a área de Consultoria e Soluções responder por 95% de seu faturamento. O Diretor de Planejamento, Administração e Finanças, Bruno Salgado, explica o fenômeno: “Não é que a área de treinamento tenha encolhido. Mas o crescimento da área de Consultoria e Soluções foi formidável nos últimos anos. Dessa forma, a importância relativa da área de Treinamentos para o faturamento acabou reduzindo. Mas a área de Treinamentos continua sendo considerada estratégica, já que oferece grande visibilidade e é porta de entrada em muitos clientes que ainda conhecem melhor esta faceta da Clavis. Além disso, a prestação de serviços de segurança, quando feita de maneira ‘casada’ com a oferta de treinamentos, permite uma entrega de muito maior valor agregado.”. Bruno explica, ainda, outra motivação: “A Clavis tem origem na Universidade, e uma veia acadêmica inquestionável. É impossível negar a vocação da empresa para a formação de profissionais na área da Segurança. Acreditamos que esta seja uma importante contribuição da empresa para a Sociedade.”

Bruno Salgado fala, ainda, da expansão da Clavis no país. “Com o crescimento da empresa, decidimos abrir um escritório em São Paulo – esse foi um movimento acertado  para consolidar a presença da Clavis em SP.  No segundo semestre de 2017, abriremos escritório também em Brasília, outro local em que a Clavis tem tido forte atuação, e que já justifica a presença física permanente da empresa. A expectativa é terminar 2017 com uma carteira de clientes ainda mais diversificada, tanto no que diz respeito ao setor de atuação quanto à região geográfica.”

Outra área em que a Clavis tem tido muitas conquistas recentes é a área de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, como conta Bruno Salgado. “A Clavis sempre contou com o apoio de órgãos de fomento como a Finep, o CNPq e a FAPERJ. Mas nos últimos 12 meses, a empresa obteve uma sequência de vitórias impressionante na área de Pesquisa. A empresa Green Hat, do Grupo Clavis, foi uma das seis selecionadas na chamada FAPERJ 11/2016, com uma solução de predição de falhas para o setor de Óleo&Gás. No recente resultado da chamada FAPERJ 20/2016, duas empresas do Grupo Clavis foram selecionadas para receber apoio para o desenvolvimento de sistemas inteligentes na área de transportes e de energia. Finalmente, a Clavis está em reta final de aprovação de um financiamento pela AgeRio para o desenvolvimento de pesquisas e produtos nas áreas de Gerenciamento de Vulnerabilidades, Segurança Orientada a Dados e Simulação de Ataques de Sobrecarga.”

A fala do CEO da empresa, Rafael Soares, resume a estratégia da empresa: “Sempre investimos em pesquisa, desenvolvimento, inovação e formação técnica de nossos colaboradores no mais alto nível. E, até agora, tem dado certo.”